A prática de pilates pode trazer uma série de benefícios para o corpo, principalmente, para aquelas pessoas que querem se exercitar, mas, não se veem em academias ou em outras modalidades esportivas. Normalmente, as aulas de pilates são ministradas por profissionais da fisioterapia já que possuem conhecimento e podem ajudar pacientes que necessitam de reabilitação. No entanto, tanto o profissional quanto o aluno devem estar cientes que, antes de iniciar qualquer exercício a pessoa precisa passar pela avaliação postural e anamnese, pois, assim é possível personalizar as aulas conforme suas necessidades específicas.

Antes de realizar a anamnese, o ideal é que o fisioterapeuta faça algumas perguntas para o aluno no intuito de compreender quais são seus objetivos no pilates. Portanto, é válido questionar: Como você conheceu o Pilates? Já fez Pilates alguma vez? Já viu fotos, vídeos? Quais são seus objetivos ao realizar a prática do método? A procura pelo método foi por indicação médica?

Todas essas informações irão direcionar o instrutor ao início da avaliação.

Anamnese


A anamnese consiste em uma avaliação, em que o conjunto de informações obtidas pelo profissional será feito por meio de uma entrevista previamente esquematizada. Este esquema de entrevista deve conter:


Queixa principal – são os relatos do aluno explicando por qual motivo ele procurou o método pilates, ressaltando seus objetivos e sintomas.

História da moléstia atual - é uma ampliação da queixa principal, onde há uma ordem cronológica e detalhada dos sintomas relatados pelo aluno.

História da moléstia pregressa – são os sintomas e fatos ocorridos no passado que possuem relação com a queixa principal apresentada. Este tópico é importante, pois pode mostrar onde se originou o atual problema.

História profissional – ocupacional - relaciona-se com a ocupação profissional do indivíduo. Este item é de extrema importância para analisar se a queixa do aluno não está relacionada com a atividade exercida pelo mesmo.

Lazer – é necessário que o aluno informe suas ocupações para avaliar se há sedentarismo, ou se a pessoa pratica alguma outra atividade, para que seja traçado a conduta adequada de acordo com seu perfil.

Antecedentes pessoais – são informações sobre a presença ou ausência de hipertensão ou hipotenção, diabetes e outras patologias que podem se relacionar com a queixa principal e fazer com que o instrutor esteja ciente no momento de realizar a prescrição de exercícios.

Com todas as informações da anamnese do aluno, o próximo passo é a realização da avaliação postural.

Avaliação postural


A avaliação postural segue como base a postura padrão a qual se refere a uma "postura ideal", onde os segmentos corporais estarão alinhados com o mínimo de esforços e sobrecargas, conduzindo a eficiência máxima do corpo.


Para a avaliação é necessário que o aluno esteja com roupas adequadas, para que se torne possível à visualização dos devidos segmentos corporais e possíveis desvios. Com a roupa apropriada o profissional irá analisar o aluno na vista anterior, posterior e lateral direita e esquerda.

Na avaliação da vista anterior e posterior é possível observar melhor os desvios laterais. Enquanto na vista lateral a visualização de desvios ântero-posteriores é melhor examinada. Outro detalhe é que o fisioterapeuta tem a opção de iniciar a avaliação no sentido céfalo-caudal, observando primeiramente as inclinações laterais, rotações e protrusão/retração da cabeça. Para isso, o aluno deve estar tranquilo e à vontade para que possíveis auto correções sejam evitadas.

A análise dos ombros faz com que o profissional perceba se há depressão/elevação de um ombro em relação ao outro e/ou se os ombros estão protusos ou retraídos. Já no sentido céfalo-caudal é analisado se a linha alba está alinhada, assim como a cicatriz umbilical que poderá estar desviada ou alinhada.

No que diz respeito ao antero-posterior, o profissional avalia a angulação dos cotovelos identificando a presença ou ausência de deformidades como varo ou valgo. Também é observado os triângulos de Talles, que consiste no "triângulo" formado entre o tórax e o antebraço. Se este triângulo estiver maior em um dos lados, pode ser que a pessoa esteja com escoliose.

Na visão Posterior toda a coluna vertebral é avaliada. Nesta etapa, o fisioterapeuta costuma palpar as costas do aluno para sentir os possíveis desvios que podem estar presentes, como por exemplo: cifose torácica, lordose lombar, escoliose, entre outros desvios posturais. Além da coluna, as escápulas devem ser observadas podendo estar: elevadas, deprimidas, aduzidas ou abduzidas.

Na pelve é observado as cristas ilíacas para identificar se há alguma assimetria do quadril, podendo ter inclinações e rotações, assim como a anteversão e retroversão da pelve. Após a pelve é analisado os joelhos, no qual, as principais deformidades encontradas nesta articulação são os joelhos varo ou valgo.

No Varo os joelhos estão afastados e os tornozelos próximos. No Valgo ocorre a situação inversa, onde os joelhos estão próximos e os tornozelos afastados. Enquanto na visão lateral é possível perceber se o joelho está fletido ou hiperextendido. Lembrando que o corpo humano possui uma hiperextensão fisiológica normal que pode ir até 10º.

Por último, mas, não menos importante é avaliado os tornozelos e pés, observando se eles estão aduzidos, abduzidos, cavos ou caídos. No tornozelo também é verificado o ângulo tíbio-társico (angulação formada pela tíbia e o pé), o qual é normal um ângulo de 90º.

Avaliação dinâmica


A avaliação dinâmica é realizada com o intuito de avaliar a forma que o corpo se comporta em movimento. Posturas desequilibradas têm reações compensadoras, e o objetivo desta avaliação é identificar estas compensações e poder corrigi-las. Sendo assim, o profissional observa certos aspectos como flexibilidade, mobilização, coordenação, estabilidade, equilíbrio, força muscular e simetria durante o movimento.


Como a avaliação está sendo feita para que a pessoa possa começar suas aulas, o fisioterapeuta avalia o aluno com os próprios movimentos do pilates. Dessa maneira, o repertório de exercícios escolhidos deve facilitar a visualização dos segmentos com a mobilidade, flexibilidade e força de cada um deles. Mas, sem se esquecer de observar se há compensações em outro segmento para ser possível a realização do movimento.

Pilates para iniciantes


As pessoas que estão começando no pilates podem investir tanto na aula de pilates com aparelhos, como na aula de mat pilates, ou seja, de exercícios solo com colchonete. De forma geral, os instrutores iniciam os treinos com exercícios de alongamentos das áreas mais necessitadas do corpo, de forma mais suave e depois segue para o fortalecimento dos grupos musculares.


Entre os exercícios de solo que costumam ser feitos nas aulas de pilates, estão:


Alongamento para ombros


Neste exercício, a pessoa deita-se de costas com os braços bem apoiados no chão e em seguida levanta os dois braços estendidos, mantendo as escápulas apoiadas no chão. Os braços, mãos e dedos devem ser alongados se estendendo em direção ao teto, levantando suavemente as escápulas do chão e voltando a apoiar novamente.

Esse movimento é repetido várias vezes para proporcionar consciência dessa região do corpo.

Com os braços ainda estendidos, o aluno deve fazer círculos sem tirar as escápulas do chão, repetindo esse movimento de 5 a 10 vezes. Após as repetições, troca-se o sentido do movimento circular fazendo mais 5 ou 10 movimentos.

O ideal é que a pessoa inspire quando o círculo estiver voltado para dentro e expire quando o círculo estiver para fora.

Círculos com uma única perna


Deitado de costas para o chão, com os braços estendidos ao longo do corpo e as duas pernas estendidas, a pessoa deve elevar a perna direita em direção ao teto. Em seguida, fazer círculos para fora com a perna estendida, lentamente. Após realizar todo o movimento com a perna direita, é a vez da perna esquerda fazer o mesmo exercício.


A segunda série de exercício é estendendo a perna direita e fazendo círculos, dessa vez, para dentro, repetindo o mesmo procedimento com a perna esquerda. O recomendado é que o aluno mantenha a pelve imóvel nesses movimentos.

Roll Down


Normalmente, quando os alunos ainda são iniciantes esse exercício é feito com bola atrás das costas. A pessoa move a pelve para trás, de modo que a lombar encoste na bola. As mãos ficam atrás das coxas. O aluno deve sentar-se no chão, com as pernas flexionadas, com pés levemente afastados. Após esse movimento, volta-se para o eixo vertical a partir da pelve.


O recomendado é que o indivíduo inspire ao ir para trás e expire quando voltar para frente. Além disso, deve ser realizado 10 repetições de Roll down.

Roll up


Neste exercício, o aluno se deita de costas para o chão com os glúteos bem contraídos e o corpo estendido. Uma perna é pressionada contra a outra mantendo os pés bem apoiados no chão, com calcanhares bem juntos. Os iniciantes devem ficar com as pernas flexionadas, inspirar e elevar os braços em direção ao teto. Em seguida, expirar iniciando um movimento com a cabeça, olhando em direção às pernas. O tórax deve estar bem arredondado, e os braços para frente.

O aluno deve inspirar e voltar a deitar com a força da pelve e da coluna lombar. E, logo após, expirar e voltar à posição inicial, repetindo 5 vezes o exercício.

Ponte


De costas para o chão, a pessoa estende suas mãos ao lado do corpo, com os pés apoiados no chão, levantando os joelhos. O segundo passo é levantar os quadris para criar uma espécie de linha reta dos ombros aos joelhos. Como se seu corpo realmente ficasse no formato de uma ponte. O ideal é que o aluno se mantenha nessa posição por 30 segundos.

The Hundred


O praticante deve ficar deitado de costas, com a lombar totalmente apoiada no chão. Os braços devem estar ao longo do corpo e os joelhos flexionados, fora do chão, com os pés como se estivesse flutuando.

Desse modo, a pessoa deve inspirar para iniciar o movimento e expirar elevando a cabeça e a parte superior do corpo como se quisessem chegar aos joelhos. Os braços devem estar elevados e retos como se fossem alcançar os calcanhares. Feito isso, a pessoa inspira e move os braços para cima e para baixo por 5 vezes, expira e faz o mesmo movimento por 5 vezes.

Após contar até 70, o aluno estende as pernas para cima, em 90 graus. E, mais uma vez continua a contagem e quando chegar em 90 graus, estende as pernas para frente na diagonal. Após terminar o exercício o praticante deve abraçar as duas pernas com as mãos.

Se você atua na área da fisioterapia de forma autônoma, seja com o pilates ou não, mas, sente que seu negócio não está prosperando como você queria, esse é o momento de adquirir conhecimento e aprender a melhor forma de empreender. Para isso, o Instituto Monte Pascoal tem uma pós-graduação com conteúdo completo. Conheça e se matricule no MBA em Empreendedorismo, Gestão e Inovação. Dê um passo à frente e faça a diferença no meio profissional.



Fonte: Revista Pilates e Companhia Athletica

Imagem: 123RF