A dor miofascial se caracteriza como uma dor muscular em um ponto específico do corpo que é pressionado. Esse ponto é chamado de ponto de gatilho, sendo um nódulo nos músculos que causa sensação de ressalto ou dor quando é palpado. Esta causa pode estar associada ao excesso de exercício, movimentos repetitivos, pancadas, estresse ou tensão emocional.

As regiões do corpo que a dor miofascial é mais recorrente são as costas, ombros e pescoço, áreas que podem ser facilmente tratadas com a realização de alongamentos, fisioterapia e mudança de hábitos. No caso da fisioterapia, a técnica mais utilizada pelos profissionais é a liberação miofascial.


Segundo a fisioterapeuta, Taissa R. Soares da Cunha Prisco, os pontos de gatilho se formam porque a fáscia é um tipo de tecido conjuntivo, sendo menos denso e com mais líquido se comparado com outros, além de estar presente em todo o corpo. A profissional argumenta que funciona como se fosse uma grande teia delgada que ocupa muitos espaços do corpo. Sendo assim, uma de suas funções é formar um envelope para os músculos, possibilitando que eles se movam e ajudando na transmissão de força entre eles enquanto nos movemos, explica.

"Quando há uma desorganização por má utilização muscular, às vezes por excesso de força, movimentos repetitivos, movimentos bruscos, imobilidade, estresse ou tensão emocional, o ácido hialurônico presente no líquido intersticial se densifica, causando aderência entre os planos. Uma vez aderido, os movimentos dessa região ficam mais difíceis, pesados, presos e os músculos passam a ter que fazer mais força para realizar os movimentos do dia a dia. Ou seja, ficam sobrecarregados, as fibras musculares se desorganizam e ficam contraturadas, criando nódulos sensíveis e dolorosos. Esses são os pontos-gatilhos", explica a fisioterapeuta.


Como identificar?


Os sintomas de dor miofascial tendem a piorar com o movimento ou exercício físico, no entanto, quando a lesão permanece por mais de 12 semanas pode surgir dor e desconforto mesmo quando a pessoa está em repouso. Outros sinais e sintomas de dor miofascial, incluem:


Aumento da tensão no músculo dolorido (rigidez muscular);

Diminuição da amplitude de movimento;

Dor ao pressionar o ponto dolorido;

Pontos duros nos músculos que podem ser sentidos através de um ressalto ao pressionar toda a banda muscular (pontos gatilho);

Contração do músculo ao inserir a agulha ou realizar a palpação transversa;

Alívio da dor ao realizar o alongamento do músculo.

Tratamentos fisioterápicos


Alongamentos


São realizados exercícios que ajudam a estirar o músculo e toda a região afetada, durante 30 segundos a 1 minuto de cada vez. Os alongamentos podem ser realizados de forma passiva, ou seja, quando uma outra pessoa segura a perna ou o braço para que o músculo seja alongado, ou de forma ativa quando a própria pessoa realiza o estiramento muscular.

Liberação miofascial


O ato de pressionar e friccionar o músculo e o ponto gatilho também são técnicas indicadas para combater a dor miofascial. A intenção é causar cause menos dor, e o descolamento da pele do músculo pode ser feito durante uma massagem. O uso de bolinhas ou rolos também é uma boa estratégia para eliminar os pontos gatilho que dão origem à dor miofascial.

Outros procedimentos


As pessoas que possuem dor miofascial também podem recorrer à acupuntura, crioterapia ou eletroterapia com uso de TENS, ultrassom ou laser para minimizar a dor provocada pelos pontos gatilho. Existem várias outras técnicas que podem ser usadas para combater esta dor. Além disso, as massagens e auto massagens são excelentes.

Se você atua na área da fisioterapia e quer ter mais autonomia abrindo seu próprio negócio, então, você precisa de uma pós-graduação que irá te ensinar tudo o que você precisa saber sobre o mundo do empreendedorismo. Conheça e se matricule no MBA em Empreendedorismo, Gestão e Inovação do Instituto Monte Pascoal. Faça a diferença no mercado de trabalho.



Fonte: Tua Saúde e iSaúde

Imagem: 123RF