O formato de listras na pele sejam elas, arroxeadas ou brancas, são as indesejadas estrias. Elas costumam aparecer devido a um grande estiramento na pele em um curto período de tempo, como na gravidez ou quando se engorda e emagrece, podendo ser superficiais ou profundas. Essas marcas na pele podem ser um incômodo na vida de várias pessoas, mas a boa notícia é que existem tratamentos que podem eliminar até 80% das estrias como o laser fracionado e o peeling de cobre.


O mercado da saúde estética conta com vários outros procedimentos que visam eliminar boa parte das estrias, no entanto, a intensidade dos tratamentos irá variar de acordo com cada situação específica. Por exemplo, as estrias arroxeadas são mais fáceis de combater porque ainda são marcas recentes e, assim, o tecido ainda não foi completamente prejudicado. Esta coloração indica que há sangue circulando no local o que favorece o tratamento.


Já as estrias com tonalidade branca necessitam de tratamento mais intenso, pois, a área do corpo se encontra prejudicada e, por essa razão precisa de uma agressão maior para estimular a produção de colágeno e elastina, responsáveis por promover a cicatrização das estrias. Apesar do tratamento mais intenso para as estrias mais profundas, pode haver necessidade de métodos mais invasivos para o preenchimento das linhas de dentro para fora. Neste caso, os procedimentos seriam outros que atuam de maneira mais profunda na pele.


Levando em consideração os tratamentos laser fracionado e o peeling de cobre, eles agem da seguinte forma:

Laser fracionado – utilizado para combater as estrias brancas, largas e profundas, o procedimento promove microperfurações na pele, destruindo e aquecendo as fibras de sustentação. A função do tratamento é melhorar a textura e alisar a pele.

Outra opção é unir o laser fracionado com a subcisão para melhores resultados. Sendo assim, cerca de 15 dias após o primeiro procedimento a pele se encontra preparada para a subcisão. Este processo é um método cirúrgico ambulatorial que utiliza uma agulha com ponta cortante para que seja feito o descolamento da derme profunda e a estimulação do colágeno, na intenção de recuperar parcialmente a estria. É importante ressaltar que a subcisão é um procedimento ambulatorial e precisa ser realizado na forma e nas condições necessárias.

Ambos tratamentos possuem a finalidade de reduzir a largura e a profundidade das estrias. O resultado aparece entre 30 e 60 dias, tempo que o colágeno demora para se regenerar. Já em relação a quantidade de sessões dos tratamentos, será em torno de três a cinco de laser fracionado, a cada 15 dias, e uma ou duas de subcisão, com intervalo de 60 dias.

O laser causa inchaço nas primeiras 24 horas e hematomas por duas semanas. Após a subcisão, o local fica dolorido e com hematomas por até uma semana. Por isso, a recomendação é não fazer musculação por três dias e não se expor ao sol por um ou dois meses.


Peeling de cobre – o peeling provoca uma microesfoliação e estimula a produção de colágeno e elastina. Enquanto o cobre age na equação, sendo capaz de reagir com uma enzima da pele responsável por produzir a melanina e, assim, fazer com que a estria volte a ter a mesma tonalidade do resto do corpo.


Para se ter um resultado satisfatório, os profissionais indicam uma média de cinco sessões. Após a realização de todas elas, é possível observar melhoria de aproximadamente 80% considerando o aspecto original. Já em relação a dor, o procedimento com cobre é um pouco dolorido e deixam a pele sensível, enquanto o peeling deixa a região avermelhada e descamando por três dias. Por isso, é indicado não usar roupas justas, fazer ginástica e usar cremes ou óleos corporais no dia da aplicação. E, só tomar sol após um mês.


Se você atua como esteticista e deseja aprimorar seu atendimento e fazer a diferença no mercado de trabalho, conheça e se matricule na especialização em Saúde Estética Interdisciplinar Avançada do Incursos. Seja um (a) especialista no assunto e se destaque no meio profissional.



Fonte: Terra e Boa forma

Imagem: 123RF