Conhecida como água no joelho e cientificamente chamada de derrame articular, essa condição acontece por causa do aumento do líquido sinovial dentro das articulações. Isso provoca dores e inchaços que comprometem os movimentos. Mas, as chances de ter esse problema são maiores em idosos e atletas. Entenda qual é o motivo e saiba mais sobre essa causa.

De acordo com o ortopedista Moises Cohen, é normal a presença do líquido sinovial na articulação e sua produção se dá pela membrana sinovial, responsável pelo revestimento interno. Possui cor amarela e viscosidade característica, além disso, uma das atribuições do líquido sinovial é lubrificar e nutrir a cartilagem articular, mas, caso seja produzido em excesso, ocorre os sintomas desagradáveis. Isso acontece como consequência de alguma ‘agressão’ que a articulação sofre.


A membrana sinovial pode sofrer traumas, caso seja usada em excesso ou se for acometida por inflamações. Isso provoca um desequilíbrio no líquido presente nessas estruturas enchendo a articulação de fluidos, que podem também conter pus ou sangue. "O acúmulo anormal desse líquido na articulação acontece por diversos motivos. Pode ser devido a um trauma, uma inflamação por conta de uma doença autoimune ou doenças degenerativas", ressalta o ortopedista Alexandre Penna.


O problema acomete mais os joelhos porque as articulações nessa região sofrem mais atritos e são usadas em excesso, principalmente por quem pega muito peso ou pratica esportes de forma frequente, como é o caso dos atletas. Porém, o derrame articular também afeta outras articulações como por exemplo, os quadris ou ombros.

Sintomas


Em grande parte dos casos a pessoa sente dor e sensibilidade na região afetada. Isso acontece por causa da pressão criada dentro da articulação ou pelo processo inflamatório. Também há a sensação de peso na articulação e o joelho fica mais inchado quando comparado ao outro.


No entanto, a intensidade dos sintomas costuma variar de acordo com a quantidade de líquido na articulação, se há presença de sangue e/ou pus e também quando o indivíduo se movimenta mais.

Alguns sintomas comuns são: vermelhidão e sensação de calor na região; dificuldade para movimentar o local e dobrar o joelho; diminuição do volume muscular ou fraqueza do quadríceps, parte da frente da coxa; rigidez articular; dor em repouso; dificuldade para realizar atividades do dia a dia como caminhar.


Principais causas


Traumas: quando a pessoa sofre alguma lesão, torções ou pancadas no joelho provocando inchaço na região. Algumas vezes ocorre acúmulo de sangue, após um trauma nos ossos, menisco ou ligamentos do joelho.

Doenças crônicas: certas doenças reumatológicas ou autoimunes comprometem as articulações e a membrana sinovial. Essas condições causam uma inflamação e/ou desgaste da cartilagem e como consequência aparecem esses inchaços dolorosos no joelho.


Dentre essas doenças estão gota, lúpus e artrite reumatoide. Pessoas com hemofilia também estão mais propensas por ser uma doença que dificulta a coagulação do sangue.

Sobrecarga: o fato da pessoa realizar exercícios repetitivos ou realizar sobrecarga na articulação do joelho, seja malhando na academia ou por carregar excesso de peso, compromete a região e causa a inflamação.

Infecções: o acúmulo de pus, devido as infecções por bactérias também aumenta o risco do problema. Pode ocorrer também um tipo de artrite chamada séptica, ou seja, uma infecção que traz dor e febre no local da articulação.


Além de provocar dor e limitação dos movimentos, se o líquido for infeccioso, pode acarretar quadros graves, pois há uma destruição da cartilagem articular de forma permanente, levando assim a uma restrição do movimento dessa articulação.


Quem é mais propenso a ter derrame articular?


As pessoas idosas correm mais risco de ter osteoartrite, uma degeneração das articulações. Por isso, aumenta as chances de ter "água no joelho". Como foi dito antes, os esportistas e atletas também entram para o grupo de risco.


"O derrame articular é uma consequência de um problema de saúde. Os atletas podem ter inflamação da articulação devido a lesões da cartilagem. E os ex-atletas costumam ter degenerações cronificadas e apresentam com mais frequência a condição", explica Penna.


Além disso, quem possui obesidade forçam mais a articulação do joelho, o que pode favorecer o aparecimento do problema.


Tratamentos


Antes de iniciar o tratamento é preciso do diagnóstico, no qual, o reumatologista ou ortopedista, após ouvir as queixas do paciente em consulta, pode recomendar uma punção do joelho para verificar se ocorreu um derrame articular e o que causou a condição.


Após identificar o que provocou a "água no joelho" o profissional indicará para o paciente qual é a melhor forma de tratamento. Podendo ser:


Medicações: podem ser prescritos anti-inflamatórios, analgésicos, antibióticos caso seja infecção, e corticoides orais. Medicamentos injetados na articulação do joelho, os intra-articular, também podem ser indicados em algumas situações.


Artroscopia: caso haja lesão de menisco, rompimento de ligamento ou casos mais resistentes ao tratamento medicamentoso, indica-se a artroscopia. Esse procedimento cirúrgico é realizado via endoscópio com o objetivo de reparar os danos da articulação.


Crioterapia: o procedimento que utiliza o frio para tratar vários problemas é eficaz para diminuir a dor e os inchaços nos joelhos. "A terapia de gelo é a melhor maneira de ajudarmos o corpo a absorver o derrame e, consequentemente, aliviar os sintomas dolorosos do derrame articular", esclarece o ortopedista Dennis Barbosa.

Punção: caso o inchaço seja intenso, provocando muito desconforto, o especialista pode optar por uma punção, artrocentese, para aliviar. "Nesses casos, retira-se uma boa parte do líquido em excesso por meio de uma agulha e seringa", destaca o fisioterapeuta Thiago Fukuda.


Repouso articular: é recomendado o repouso nos momentos de dor e inchaços. Especialistas também recomendam o uso de imobilizadores para limitar o movimento e a carga nas pernas e joelhos. "Podem ser prescritos imobilizadores ou muletas para poupar o movimento. Essa sobrecarga em excesso pode estressar a articulação e desencadear o extravasamento de líquido intra-articular. Mas, geralmente a imobilização é por pouco tempo para evitar a perda da massa e da força muscular", completa o fisioterapeuta.

Se você atua na área da fisioterapia e deseja ampliar seu conhecimento e se tornar referência no meio profissional, esse é o momento certo para você começar sua especialização. Matricule-se na pós-graduação em Gerontologia, Dimensões Biológicas, Psicológicas e Sociais no Incursos. Seja um especialista no assunto e se destaque.


Fonte: Viva Bem

Imagem: 123RF