A tendinite se caracteriza como inflamação ou irritação de um tendão, ou seja, a parte final do músculo que funciona como uma corda fibrosa responsável por fazer a fixação dos músculos aos ossos. Esse quadro, normalmente, compromete o ombro, cotovelo, punho, joelho e tornozelo. Quando o tendão do ombro é acometido, a inflamação pode causar dor intensa e prejudicar gestos recorrentes no dia a dia como vestir e despir a própria roupa e durante o momento de dormir.


A inflamação nos tendões é mais comum no tendão do músculo supra-espinhoso, que pertence ao grupo dos tendões da articulação entre o úmero e a omoplata, nos quais se dá o nome global de coifa dos rotadores. O quadro típico da tendinite do supra espinhoso é uma dor no ombro que aumenta de forma progressiva e que se agrava quando se realizam movimentos com o braço acima da cabeça e quando se dorme de lado para cima desse braço.


Quando esta dor surge, é importante afastar a possibilidade de existir uma rotura neste tendão ou num dos outros tendões da coifa dos rotadores, que pode implicar outro tipo de tratamento. A tendinite pode também surgir no tendão da longa porção do bicípete braquial, outro músculo que faz parte da articulação do ombro.


A inflamação aguda de um tendão da coifa dos rotadores surge muitas vezes associada a alterações crónicas antigas a nível da estrutura do tendão, com desorganização das fibras tendinosas e dos vasos sanguíneos, a chamada tendinose da coifa, que é a mais frequente tendinopatia do ombro (patologia dos tendões desta articulação).

Diante das dores causadas pela tendinite, o tratamento fisioterápico no ombro é essencial para impedir a diminuição das amplitudes articulares e da força dos músculos do ombro, isto é, para evitar que o ombro deixe de ter a funcionalidade que tinha antes de surgir a dor. É que normalmente o paciente faz menos vezes os movimentos que lhe despertam mais dor, o que pode dar origem a um déficit de mobilidade e de força muscular do ombro, sobretudo se a dor persistir por um período.

Tratamentos gerais


Como tratamento caseiro o ideal é fazer um repouso relativo da articulação lesionada do ombro, evitando fazer movimentos repetitivos com ou sem peso inserido, principalmente acima da cabeça. Também é recomendado não dormir de lado, caso seja algo habitual, e tentar não dormir com o corpo por cima do ombro que está doendo.


Movimentos ou posturas em que o braço levanta de lado, também chamado de abdução do membro superior, como por exemplo estar o braço para pegar num bilhete de estacionamento quando se está dentro do carro ou conduzir o veículo com o braço apoiado na janela.


Além das situações que devem ser evitadas e do tratamento fisioterápico também podem ser incluídas outras medidas como o uso de medicação anti-inflamatória e analgésica, entre outras.

Tratamento por meio da fisioterapia


Em casos de tendinite no ombro há vários tipos de tratamento fisioterápico com o intuito de: aliviar a dor; controlar a inflamação; promover a melhor recuperação do tendão; evitar retrações da cápsula articular; equilibrar os músculos que intervém na mobilização do ombro; corrigir os movimentos incorretos do ombro; retomar / aumentar a funcionalidade do paciente.

Entre as modalidades e técnicas usadas no tratamento da tendinite no ombro agentes físicos frios, geralmente, sob a forma de gelo, ultra-sons e correntes elétricas com objetivo inflamatório são muito utilizados.


Nos casos de tendinite calcificadas do ombro as ondas de choque extra-corporais são um método terapêutico com utilização crescente. Outra técnica muito válida é a massagem dentre das suas diversas vertentes, dependendo do quadro clínico.


Com o objetivo de diminuir a dor utilizam-se determinadas posturas e técnicas de tração e de descoaptação da articulação do ombro, sendo frequentemente realizados os exercícios pendulares que, dada a sua ação analgésica são capazes de diminuir a dor, sendo denominados "a aspirina do ombro".

Para diminuir a sobrecarga tendinosa a nível da articulação do ombro o tratamento fisioterapêutico deve incluir uma série de técnicas de mobilização e de reforço muscular que visam restabelecer a harmonia dos movimentos do ombro, sobretudo se no exame clínico encontraram déficits de mobilidade e/ou de força muscular.

Se você atua na área da fisioterapia esse é o momento certo para você ampliar seu conhecimento e se tornar um especialista. Faça a sua matricula na especialização em Gerontologia, Dimensões Biológicas, Psicológicas e Sociais na Incursos. Aperfeiçoe suas técnicas profissionais e se torne referência no mercado de trabalho.



Fonte: Guia da Farmácia e Saúde Bem Estar

Imagem: 123RF