Os profissionais da fisioterapia atuam em diversas áreas da saúde, desenvolvendo incluindo técnicas e procedimentos para prevenção, tratamento e reabilitação do sistema ósseo, muscular, neurológico, pulmonar e cardiovascular. Sua eficácia depende da qualidade e da quantidade de sessões realizadas, que variam de acordo com o problema a ser tratado. No entanto, como na maioria das vezes a reabilitação leva um certo tempo os pacientes acabam se sentindo desmotivando e cabe ao fisioterapeuta auxiliar.


Essa falta de motivação muitas vezes está relacionada com as situações em que o paciente espera ter resultados rápidos e milagrosos com a fisioterapia, e quando isso não acontece ele se sente decepcionado e, consequentemente, desmotivado. Com isso, a pessoa passa a ter menos força de vontade para realizar as técnicas e os exercícios fisioterapêuticos, tanto durante a sessão quanto em casa.

Além disso, a doença em si ou a condição que o paciente se encontra pode contribuir para que ele fique desmotivado, principalmente quando traz um grande incômodo, dor ou limita as suas atividades do dia a dia. Fatores externos também podem contribuir com a desmotivação do paciente, tais como: não gostar dos horários ou da frequência das sessões de fisioterapia; não gostar do profissional; aparelhos e equipamentos com baixa qualidade para a realização da fisioterapia; piora da doença de base.

Como reverter a situação?


É muito importante identificar o paciente desmotivado e buscar formas de mudar essa situação, pois isso diminui o rendimento na fisioterapia, o que prejudica a reabilitação. Se a desmotivação não for revertida, a pessoa pode até largar por completo o tratamento.


Identificar o motivo da desmotivação


Sendo assim, o primeiro passo é identificar o paciente que está desmotivado e tentar detectar os fatores que contribuíram para diminuir a motivação. Após identificar que o paciente está desmotivado, o recomendado é descobrir as causas dessa desmotivação. Isso pode ser feito por meio de uma conversa aberta, baseada na relação de confiança criada entre fisioterapeuta e paciente.

Converse e ouça o paciente


É importante conversar com o paciente e também escuta-lo. Estar atento ao que ele diz, ouvir seus anseios e reclamações. Isso garante que você esteja a par com o que ele espera da fisioterapia e quais pontos o incomodam ou trazem dificuldades. Saber escutar e criar uma relação de confiança é uma das suas responsabilidades durante o tratamento. É fundamental também comunicar ao paciente todas as questões relativas à doença e aos exercícios que são realizados, além de tirar todas as suas dúvidas.

Ambiente agradável


Outro ponto importante é o ambiente em que o paciente executa o tratamento fisioterapêutico. Proporcionar um ambiente agradável, com equipamentos de qualidade e equipe humanizada e qualificada são pontos essenciais no manejo da motivação. A sala de exercícios e o consultório também devem ser organizados para agradar e motivar os pacientes.

Use técnicas diferentes


A repetição dos exercícios é um dos principais pontos de reclamação do paciente. Para evitar esse problema o fisioterapeuta pode utilizar diferentes técnicas e variar os tipos de exercícios que são realizados a cada sessão. Os aparelhos utilizados podem ser alternados a cada sessão ou os mesmos aparelhos podem ser usados de formas diferentes.

Benefícios da reabilitação


E por último, mas, não menos importante é mostrar ao paciente os benefícios do tratamento. Alguns dos aspectos que podem ser relatados são:

Melhoria e prevenção da depressão, por meio do relaxamento da mente, da diminuição da dor e insônia e do combate ao sentimento de solidão;

Fortalecimento dos ossos e músculos e recuperação de movimentos;

Melhoria da confiança e da autoestima;

Atuação na prevenção, promoção e recuperação da saúde.

Se você atua na área da fisioterapia e deseja ampliar seu conhecimento para melhor atender seus pacientes, então comece sua especialização em Terapia Ortomolecular e Fitoterápica "Ênfase na Prática Clínica" na Incursos. Se torne um especialista e faça a diferença no meio profissional.



Fonte: Carci

Imagem: 123RF