Ao pesquisar os benefícios do DHEA, comprar esse suplemento acaba se tornando uma excelente ideia para solucionar diversas questões do nosso organismo.

Isso acontece porque com o ritmo de vida moderno, o pouco tempo disponível, o estresse e o desejo de se manter jovem e saudável faz com que as pessoas busquem fontes adicionais de substâncias para suprir as necessidades do corpo.

Uma delas é a utilização desse suplemento, que se tornou um forte aliado em diferentes aspectos. Mas será que realmente vale a pena fazer o uso de DHEA? Comprar esse suplemento seria uma boa solução para o seu caso?

Para saber as respostas para essas e outras perguntas, continue lendo este post!

O que é DHEA?

O DHEA (dehidroepiandrosterona), é um hormônio esteroide responsável por regular a maioria dos processos mais relevantes no corpo humano. Funciona como um estimulador e produtor de hormônios como a testosterona e o estrogênio, importantes não apenas para o sistema reprodutivo, mas também para a condição física e emocional geral dos indivíduos.

Vale ressaltar que ele é produzido naturalmente pelo corpo, tendo a idade de 25 anos como pico de sua produção. Após essa fase, o corpo para de produzir o DHEA e, entre os 25 e 40 anos, seus níveis começam a cair.

Isso contribui para o aparecimento de alguns efeitos típicos de envelhecimento, como fadiga excessiva, alterações hormonais, queda de cabelo, perda da densidade óssea, falhas na memória, entre outros. Assim sendo, torna-se indicada a reposição de DHEA por meio da suplementação.

Quais são os principais benefícios do DHEA?

Os benefícios do DHEA vão além de retardar os sintomas do envelhecimento. Esse hormônio atua em diversas funções, melhorando significativamente a saúde do corpo de maneira geral. Entre seus principais benefícios estão:

  • redução do acúmulo de gordura sem causar perda de massa muscular;
  • aumento da imunidade à medida que estimula a produção e a função das células brancas do sangue;
  • redução do risco de câncer, especialmente o de mama, de próstata, de pulmão, de cólon, de fígado e de pele;
  • aumento da função cerebral, ajudando a melhorar a memória e retardando os sintomas em pacientes com Alzheimer;
  • redução dos sintomas da menopausa nas mulheres;
  • aumento da densidade óssea;
  • redução dos níveis de colesterol;
  • combate à depressão;
  • redução do risco de doença arterial coronariana;
  • aceleramento do crescimento do cabelo;
  • melhora da pele, deixando-a mais firme e sem rugas ao manter os níveis de colágeno;
  • melhora do desempenho sexual.

Por que e quando você pode tomar DHEA?

O uso de DHEA é necessário para compensar a falta desse hormônio e para auxiliar no tratamento de doenças associadas a ele. Além disso, ele ajuda em outras condições, tais como:

  • contra doenças autoimunes, melhorando a imunidade até mesmo em casos de doenças graves, como a infecção pelo HIV;
  • na normalização das glândulas suprarrenais;
  • melhora a condição física de pessoas idosas, retardando os efeitos negativos relacionados à idade;
  • aumenta a densidade óssea, combatendo a osteoporose e reduzindo o risco de fraturas;
  • melhora a atividade mental e o estado psicoemocional.

Nesses casos, e para pessoas acima dos 35 anos, é bastante recomendado o uso de DHEA. Comprar esse suplemento, no entanto, para outras pessoas mais novas deve ser feito somente em casos específicos e com o devido acompanhamento médico.

Quais são as contraindicações e os efeitos colaterais?

A suplementação de DHEA é contraindicada para pessoas com menos de 35 anos, gestantes e lactantes, crianças, hipertensos, diabéticos e indivíduos com problemas no coração ou no fígado.

Caso o suplemento de DHEA seja tomado de forma incorreta, com superdosagem ou por pessoas que não podem fazer uso dele, alguns efeitos colaterais podem ocorrer, por exemplo:

  • crescimento de pelos na face em mulheres;
  • hipertensão;
  • irritação do fígado;
  • ocorrência de acne;
  • sensibilidade e aumento da mama em homens;
  • agressividade e irritabilidade.

Vale lembrar que todos os sintomas desaparecem após a descontinuação do uso. Mesmo assim, ter orientação médica é fundamental.

Imagem: Google

Matéria: Yooper