Pesquisadores brasileiros da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) criaram um teste simples capaz de, em 30 minutos, detectar a doença de Alzheimer mesmo que ela ainda esteja em estágio inicial.

Durante a pesquisa, os cientistas isolaram uma proteína existente em todos nós chamada Adam-10, e identificaram que alterações na mesma podem indicar a presença da doença. A pesquisa foi comprovada através de 24 voluntários com mais de 60 anos, divididos entre saudáveis, portadores de Alzheimer e com transtorno neurocognitivo leve, que é uma condição considerada como o pré-Alzheimer.

Criaram, então, um sensor eletroquímico com anticorpos capaz de identificar a quantidade de proteínas na corrente sanguínea e, após análise, um programa de computador lê os dados e em 30 minutos mostra se o paciente tem a doença.

O Alzheimer é uma doença neuro-degenerativa que provoca declínio das funções cognitivas, o que reduz a capacidade de trabalho e de se relacionar socialmente, interferindo no comportamento e na personalidade do indivíduo.

No Brasil, estima-se que cerca de 1,2 milhão de pessoas já são atingidas por essa doença e que esse número pode dobrar até 2030, segundo a Associação Brasileira de Alzheimer.

O novo exame tem um custo de no máximo R$3 e torna possível a identificação da doença em diferentes estágios, e até mesmo de sua predisposição, pois o nível do biomarcador tende a aumentar segundo o grau da doença.

Atualmente, um dos maiores desafios no tratamento do Alzheimer se encontra justamente no diagnóstico, já que eles são estabelecidos com técnicas pouco precisas como tomografia, ressonância magnética e análise clínica de sintomas, e o novo teste poderá ser uma chance de descobrir a doença ainda em seu estágio inicial.

A patente do biomarcador do exame já foi registrada, segundo os pesquisadores, mas a previsão é de que o produto leve ainda de 5 a 10 anos para chegar ao mercado, e novas pesquisas com o mesmo ainda serão realizadas, agora com um número maior de pacientes voluntários.


Fonte de conteúdo: Fisioterapia.com

Fonte de imagem: Google