A palavra hérnia refere-se a um escape, uma saída, através de uma fissura ou orifício, de uma estrutura antes contida. No caso da hérnia de disco, trata-se da saída do núcleo pulposo (ou líquido viscoso) que ajuda a compor o disco intervertebral, através de uma fissura em seu anel fibroso.

A extrusão do núcleo pulposo pode provocar uma compressão nas raízes nervosas correspondentes a hérnia de disco ou a protrusão, o que poderá causar uma série de sintomas, tais como:



• Dor cervical, torácica (dorsal) ou lombar
• Dor nos braços ou nas pernas (ciático)
• Sensação de formigamento, câimbras nos braços e nas pernas
• Sensação de fraqueza por causa dos nervos acometidos
• Em casos mais raros, porém mais graves, existe a alteração dos esfíncteres vesical (urina) e anal (fezes).


Podemos classificar a hérnia de disco em 3 tipos:


• Protrusas: quando a base de implantação sobre o disco de origem é mais larga que qualquer outro diâmetro.

• Extrusas: quando a base de implantação sobre o disco de origem é menor que algum dos seus outros diâmetros ou quando houver perda no contato do fragmento com o disco.

• Sequestradas: quando um fragmento migra dentro do canal, para cima, para baixo ou para o interior do forâmen.


A fisioterapia é excelente para o tratamento da hérnia de disco, e pode ser realizada através de 6 maneiras:


1- Uso de equipamentos eletrônicos: alguns aparelhos podem ser utilizados devido a suas ações anti-inflamatórias que ajudam a aliviar os sintomas, diminuindo a dor e desconforto. Sua aplicação se dá conforme a necessidade do paciente.

2- Calor: através de bolsas e toalhas aquecidas ou luz de infravermelho, o calor aumenta a circulação sanguínea e a chegada de mais nutrientes.

3- Alongamentos: são indicados desde o início das sessões de fisioterapia, sendo importantes para aumentar a flexibilidade, normalizando o tônus muscular e reorganizando as fibras musculares, sendo também excelentes para melhorar a postura corporal no dia a dia, evitando a complicação do problema.

4- Exercícios: São indicados para pessoas que não apresentam dores agudas e ajudam a fortalecer grupos musculares que encontram-se fracos ou desequilibrados.

5- Tração cervical ou lombar: pode ser realizado de forma manual pelo fisioterapeuta, que ajuda a alinhar a coluna e puxar a cabeça verticalmente, promovendo uma liberação da tensão entre as vértebras, e permitindo maior hidratação do disco vertebral e, por vezes, o seu retorno para o local original.

6- Técnicas de manipulação: podem ser realizadas na coluna e diminuem a pressão sobre ela, realinha todas as estruturas do corpo e, frequentemente, causam a sensação de maior leveza e facilidade de realizar movimentos. Essa técnica é particularmente indicada para quando a pessoa apresenta dificuldade de realizar determinados movimentos porque se sente "travada".


Entre os benefícios da fisioterapia no tratamento contra a hérnia de disco, podemos citar:


• Alívio da dor nas costas e a dor irradiada para braços ou pernas, por exemplo;
• Aumento da amplitude dos movimentos;
• Maior resistência física;
• Evitar a cirurgia na coluna;
• Diminuir a tomada de medicamentos para controle da dor.


Fontes de conteúdo: Hérnia de Disco, Tua Saúde, Minha Vida

Fonte de imagem: Google