Afinal, do que se trata o tão comentado método Pilates? É, realmente, capaz de trazer tantos benefícios para terceira idade? Por que cada vez mais médicos e fisioterapeutas indicam Pilates para idosos?

O fato é que com o passar dos anos é natural que haja diminuição de importantes capacidades funcionais: o equilíbrio piora, os músculos enfraquecem, a resistência diminui, a postura já não é mais a mesma, a caminhada fica mais lenta e é perceptível o aumento da dificuldade em realizar atividades, que até então eram fáceis e corriqueiras.

Todas essas constatações associadas à falta de exercício físico contribuem para aparecimento de dores articulares e musculares, cansaço, dificuldade em executar atividades diárias, quedas freqüentes e, consequentemente, diminuição da capacidade funcional.

O desafio é envelhecer com saúde e de forma ativa. É – exatamente- neste ponto, que o Pilates atua como aliado.

O método de condicionamento físico desenvolvido por Joseph Pilates surge do equilíbrio entre filosofias de relaxamento, ligação do corpo e da mente, com ênfase no fortalecimento muscular, resistência e intensidade dos movimentos.

Os princípios fundamentais são a concentração, a real consciência do exercício realizado, movimentos controlados e suaves, trabalho respiratório para guiar os exercícios, estímulo de um centro de força que ativam os músculos responsáveis pela estabilidade do tronco e sustentação da coluna. Princípios esses, que favorecem todos os benefícios que o método propõe.

Por ser uma atividade de baixo impacto e individualizada, é essencial que seja realizada com supervisão de qualidade. Não à toa é um método muito indicado para idosos ao atuar como prevenção e\ou em pós-tratamento médico e fisioterápico de dores articulares.

A idéia é uma aula que se trabalhe o corpo de forma uniforme, integrando corpo e mente.

Entre os benefícios gerais que uma atividade física regular pode gerar ao idoso, o Pilates na terceira idade propõe:

– aumento da flexibilidade muscular
– melhora da mobilidade das articulações
– melhora do equilíbrio e coordenação motora
– aumento da consciência corporal e postural
– fortalecimento muscular
– melhora da capacidade respiratória e concentração

Todos esses fatores contribuem para a melhora da qualidade de vida, diminuem os riscos de quedas e suas consequências, aliviam as dores articulares e aumentam a autoestima do idoso.

Porém, para aplicação de qualquer técnica, é necessário que princípios básicos sejam respeitados e, para isso, o acompanhamento de um profissional especializado e com formação completa em Pilates fazem a diferença.

Avaliação prévia

Antes de iniciar as aulas, é essencial a realização de uma avaliação específica capaz de identificar as limitações físicas, presença de dor e nível de aptidão física do idoso. Somente com um estudo personalizado é possível direcionar as aulas de acordo com o objetivo de cada aluno, identificar quais habilidades devem ser desenvolvidas, os exercícios adequados a fim evitar lesões e recidivas de quadros álgicos, assegurando a eficácia e os bons resultados.

Se você é idoso, se identificou e quer cuidar da sua saúde, inicie a prática do Pilates. Lembre-se de procurar um profissional qualificado e conheça a diversidade de exercícios e todos os benefícios que o método pode lhe proporcionar.

Fonte: Aproveitando a Terceira Idade